top of page

Chega a 49 o número de cidades gaúchas com decreto de situação de emergência pela falta de chuvas

Aprovação estadual e federal é necessária para recebimento de verbas no combate aos efeitos da estiagem

Foto: Arquivo - Sema

Ao menos 49 das 497 cidades gaúchas (quase 10%) já decretaram situação de emergência devido à falta de chuvas. A medida depende de homologação pelo governo do Rio Grande do Sul e reconhecimento pelo Executivo federal para que as respectivas prefeituras possam solicitar verbas destinadas ao restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de infraestruturas.


Somente Tupanciretã (Região Noroeste) recebeu o sinal-verde em ambas as instâncias – a solicitação foi protocolada no dia 1º de dezembro. Já As cidades de Benjamin Constant do Sul, Cerro Grande, Júlio de Castilhos, Manoel Viana, Palmitinho, Pinhal, Redentora, São Gabriel, São Pedro das Missões, e Toropi, por sua vez, aguardam posicionamento federal.


Solicitações já protocoladas


– Agudo.

– Arroio Grande.

– Benjamin Constant do Sul.

– Boa Vista do Incra.

– Canela.

– Capão do Cipó.

– Cerro Branco.

– Cerro Grande.

– Cerro Largo.

– Cristal do Sul.

– Cruz Alta.

– Dilermando de Aguiar.

– Frederico Westphalen.

– Herval.

– Iraí.

– Jari.

– Jóia.

– Júlio de Castilhos.

– Lajeado do Bugre.

– Liberato Salzano.

– Maçambará.

– Manoel Viana.

– Mata.

– Novo Tiradentes.

– Palmitinho.

– Paraíso do Sul.

– Pedras Altas.

– Pinhal.

– Pinheiro Machado.

– Piratini.

– Quevedos.

– Redentora.

– Rio dos Índios.

– Rodeio Bonito.

– Rolador.

– Sagrada Família.

– Santa Margarida do Sul.

– Santa Maria.

– São Gabriel.

– São José do Norte.

– São Martinho da Serra.

– São Pedro das Missões.

– Taquaruçu do Sul.

– Toropi.

– Tupanciretã.

– Vicente Dutra.

– Vista Alegre.

– Vista Gaúcha.


Recomendações


No final de dezembro, a Defesa Civil do Rio Grande do Sul produziu uma série de materiais informativos para auxiliar a população e os gestores municipais a lidarem com a situação de emergência devido ao déficit hídrico. O conteúdo pode ser conferido no site defesacivil.rs.gov.br.


Dentre as recomendações está o uso consciente da água por todas as pessoas, tanto em ambientes públicos quanto privados. Confira:


– Não lavar calçadas ou veículos.

– Evitar desperdícios em geral.

– Não tomar banho demorado.

– Molhar as plantas somente com regador.


Dados estatísticos


Um estudo realizado pelo governo gaúcho e apresentado recentemente aponta que 464 municípios do Rio Grande do Sul publicaram decretos de emergência sobre o tema no período de 2017 a 2021. O total foi de 2.265 ocorrências que afetaram 1,91 milhão de indivíduos, direta ou indiretamente.


As regiões com maiores volumes de prejuízo por conta desse tipo de desastre natural foram aquelas com sede em Santo Ângelo, Santa Maria, Uruguaiana e Frederico Westphalen. Essas e outras informações estão disponíveis para consulta de forma detalhada e por qualquer cidadão no site da Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão – spgg.rs.gov.br.


Fonte: O Sul


0 comentário

Comments


PUBLICIDADE PADRÃO.png

Destaques aqui no site!

Quem viu esse post, também viu esses!

bottom of page