top of page

Jejum de seita para “conhecer Jesus” mata mais de 70 no Quênia

Mais 29 pessoas desnutridas foram resgatadas da seita. Segundo polícia, um pastor evangélico incentivou os fiéis a fazerem jejum

Foto: Divulgação

A polícia do Quênia investiga o caso de um pastor evangélico responsável pela morte de pelo menos 70 fiéis de uma seita, em Malindi, após incentivá-los a jejuarem até conhecer Jesus. O número de 58 vítimas foi confirmado nesta segunda-feira (24/4) pelas autoridades quenianas. Mais tarde, o total de mortes subiu para 73.


A equipe responsável pelo caso trabalha para confirmar a hipótese de que as vítimas morreram de fome. Mais 29 integrantes do movimento foram resgatados e hospitalizados com sinais de desnutrição desde 14 de abril, quando o suspeito foi preso.

Foto: Divulgação

Makenzie Nthenge é pastor e fundador da Igreja Internacional das Boas Novas. De acordo com as investigações, o líder incentivou um grupo de religiosos a passarem por uma greve de fome na floresta de Shakahola, onde as valas com os corpos foram encontrados.


Os policiais acreditam que mais fiéis estejam escondidos enquanto se negam a interromper o jejum.


No domingo (23/4), os agentes encontraram na mata uma mulher com os olhos fora da órbita, enquanto se recusava a aceitar alimentação. Diante da negativa, ela foi transportada em uma ambulância e encaminhada para atendimento médico.


Cena de crime


Os 323 hectares da floresta de Shakahola foram isolados e declarados como uma cena de crime pelo ministro do interior do Quênia, Kithure Kindiki, para que as equipes continuem com as atividades de resgate.


“Quando chegamos a uma área da floresta onde vemos uma cruz grande e alta, sabemos que isso significa que mais de cinco pessoas estão enterradas ali”, relatou Victor Kaudo, do Centro de Justiça Social de Malindi, à imprensa local.


Entre as sepulturas encontradas, a polícia acredita que uma contenha os corpos de dois pais e três crianças, todos da mesma família.


Crimes anteriores


Makenzie Nthenge está detido há 10 dias na cidade de Malindi, enquanto aguarda julgamento. Ele comparecerá a uma audiência com juiz no dia 2 de maio. O líder alega que não fez nada de errado e que sua igreja encerrou as atividades em 2019.


Nthenge já havia sido detido no último mês depois de ser acusado de incentivar o jejum para duas crianças da cidade, que morreram de fome. Na época, o pastor pagou uma fiança equivalente a 740 dólares e foi liberado. Antes desse episódio, ele também foi preso por usar a Bíblia para convencer filhos de fiéis a deixarem de frequentar a escola.


“O que vimos em Sakhola é algo característico de terroristas”, afirmou o presidente queniano, William Ruto, durante cerimônia de funcionários do sistema prisional nesta segunda. “Os terroristas usam a religião para promover seus atos hediondos. Pessoas como Mackenzie utilizam a religião para fazer exatamente o mesmo”, destacou.


Fonte: Metrópoles

0 comentário

תגובות


PUBLICIDADE PADRÃO.png

Destaques aqui no site!

Quem viu esse post, também viu esses!

bottom of page