top of page

Perícia aponta que jovem desaparecido após abordagem da BM estava submerso havia pelo menos 5 dias

Novos detalhes sobre a morte do jovem Gabriel Marques Cavalheiro, 18 anos, foram divulgados na tarde desta sexta-feira (26), em coletiva de imprensa realizada na sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP), em Porto Alegre. A diretora do Instituto-Geral de Perícias (IGP), Heloísa Helena Kuser, afirmou que os primeiros resultados dos exames periciais foram recebidos nesta tarde.


Segundo Heloísa, o exame perinecroscópico apontou que Gabriel estava submerso havia pelo menos cinco dias. O corpo dele foi encontrado em 19 de agosto, dentro de açude, na localidade de Lava Pé, em São Gabriel, na Fronteira Oeste.


Ainda conforme a diretora do IGP, sangue e urina coletados apontaram teor alcoólico de 23,4 decigramas por litro no corpo de Gabriel, o que é considerado um valor alto. Mas a diretora do IGP destaca que isso pode ser resultado da decomposição do corpo.


— No processo de decomposição a ação bacteriana libera álcool no corpo. Temos um valor mas ainda não definida a origem, se foi ingerido ou não — explica Heloísa, destacando que o laudo da necropsia deve ficar pronto na próxima semana.

Os exames de psicotrópicos ilícitos — que detecta presença de drogas — e lícitos deram resultado negativo.


Segundo a diretora do IGP, pelo menos quatro viaturas estão sendo analisadas para comparar material visível e invisível com o que foi encontrado na cena do crime. O laudo deve ficar pronto nas próximas semanas. Ela explica que o avançado estado de putrefação em que o corpo do jovem foi encontrado dificulta as análises, mas salienta que com a necropsia é possível detectar as causas da morte e se ele tinha ferimentos.


Além de Heloísa, participaram da coletiva o secretário da Segurança Pública, Vanius Cesar Santarosa, o comandante-geral da Brigada Militar, coronel Claudio dos Santos Feoli, e o subchefe da Polícia Civil, delegado Vladimir Urach.


Os três policiais, que estão presos desde a última sexta-feira (19) por suspeita de envolvimento no caso, deverão depor novamente neste fim de semana. A expectativa é de que eles sejam ouvidos na manhã deste sábado (27) pela Polícia Civil e no domingo (28) pela Brigada Militar.


Feoli relata que a Brigada Militar havia solicitado que os três policiais fossem ouvidos ainda nesta sexta-feira, mas um recurso impetrado pela defesa junto à Justiça Militar durante a madrugada barrou a realização da oitiva. No entanto, a decisão foi revertida nesta tarde, viabilizando que os depoimentos ocorram no domingo.


— Nós não toleramos desvios de conduta. Todas as pessoas que trouxeram elementos estão sendo ouvidas — destacou o comandante-geral da BM.

O delegado Vladimir Urach destacou que o trabalho de investigação vem sendo realizado de forma conjunta entre a Polícia Civil e a Brigada Militar. Ele também garantiu que deve ser realizada a reconstituição dos fatos nos próximos dias. Urach esclareceu ainda que o decreto da prisão preventiva dos investigados ocorreu porque havia elementos que embasassem a decisão.


– Havia provas testemunhais que indicavam que os PMs foram até o local. A própria gravação demonstrou que houve uma agressão. E depois, teriam havido também agressões com instrumento contundente. Estamos aguardando ainda o laudo para ver se confirmamos isso ou não. Esses elementos todos, junto à autoria que foi confirmada, culminaram no decreto de prisão preventiva – explica.


Fonte: GZH

0 comentário

Comments


PUBLICIDADE PADRÃO.png

Destaques aqui no site!

Quem viu esse post, também viu esses!

bottom of page