top of page

Polícias encontram esconderijo de criminosos que assaltaram aeroporto de Caxias do Sul

Sítio no Vale do Paranhana tinha adesivos da PF, giroflex, colchões e outros materiais usados como disfarce pelos autores do roubo

A força-tarefa montada para esclarecer o roubo de R$ 30 milhões ocorrido no último dia 19, no aeroporto de Caxias do Sul, encontrou nesta quinta-feira (27) um dos esconderijos dos autores do crime. É um sítio em Riozinho, município do Vale do Paranhana. A localização foi rastreada pela Brigada Militar e Polícia Federal, após movimentos da quadrilha terem sido detectados por populares da região.


Cerca de 10 criminosos participaram do assalto a um avião-pagador no Aeroporto Hugo Cantergiani. Eles foram interceptados por vigilantes de dois carros-fortes, que tentaram evitar o roubo — o maior da história gaúcha. Na intensa troca de tiros, com mais de cem disparos, um dos bandidos morreu. Num segundo momento, quando a Brigada Militar interceptou o comboio da quadrilha que fugia de Caxias do Sul, foi morto no tiroteio o sargento Fabiano Oliveira.


Dos R$ 30 milhões roubados, metade foi recuperada no veículo em que morreu o assaltante, um nordestino radicado em São Paulo. Desde então, policiais militares, rodoviários federais e agentes da PF prenderam cinco envolvidos, todos com prisão decretada pela 5ª Vara Federal de Caxias do Sul. Alguns são envolvidos com a maior facção criminosa brasileira, a paulista Primeiro Comando da Capital (PCC).


O sítio descoberto pelos policiais fica próximo a uma cascata muito visitada por turistas (a pedido dos policiais, não vamos dar a localização exata). Numa área de mata densa e com acesso apenas por estradas de pedra e chão batido. Ideal para quem quer se esconder, ressaltam os agentes que rastreiam a quadrilha.


No sítio foram encontrados adesivos da PF, giroflex (sinalizadores luminosos usados em viaturas policiais), luvas, 10 colchões e comida. Todo o material encontrado está sendo submetido a perícia. O objetivo é rastrear DNA e impressões digitais dos quadrilheiros. Será difícil, porque os criminosos borrifaram pó de extintor de incêndio na casa, justamente para disfarçar seus rastros e dificultar identificações.


A localização do sítio aconteceu depois que BM e PF descobriram que a quadrilha desceu a Serra, após deixar o aeroporto assaltado. Parte dos criminosos teria buscado estradas vicinais para retornar a Caxias do Sul, pegar a Rota do Sol e sair do Estado via Santa Catarina (tanto que um veículo usado pelos quadrilheiros foi interceptado em Juquitiba, São Paulo). Outros assaltantes teriam tomado o rumo do Litoral (um dos envolvidos foi preso em Torres).


— É costume nessas grandes quadrilhas se unirem apenas no momento de executar o assalto. Cometido o roubo, voltam a se separar, seguindo direções diferentes, para despistar. Por vezes os bandidos não conhecem uns aos outros: apenas um líder sabe quem é quem — relata um dos policiais envolvidos na perseguição aos autores do roubo milionário.

De posse dessas informações, os policiais rastrearam a região dos vales dos rios Paranhana e Rolante. Após conversas seguidas de buscas na região, os policiais chegaram ao sítio, situado entre os municípios de Riozinho e Rolante, próximo à rodovia RS-239, que liga essas cidades a Santo Antônio da Patrulha e ao litoral.


Não foram encontrados veículos e nem pessoas no sítio revistado. A PF não detalha o resultado das buscas.


Informações: Humberto Trezzi/GZH

0 comentário

Comments


PUBLICIDADE PADRÃO.png

Destaques aqui no site!

Quem viu esse post, também viu esses!

bottom of page